quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

BREVES GESTOS

Rejeitando os mitos perdemos as referências
das figuras que fizeram a alegria dos poetas.
Gregas, romanas, eslavas.

Os ícones são outros, concretos.
As dúvidas são outras, financeiras e editoriais.
A cultura pontual privilegia ascos
escritos em forma de auxílio intelectual.

Na ponta do lápis, na tela do computador,
a multiplicação infantil de duendes e gnomos
forjados em sessões de marqueting e publicidade.

Crianças perdidas em parafernálias eletrônicas;
jovens em caminhos tortuosos de pseudas ciências;
adultos sabedores do que estão vendendo;
velhos sabendo que não há salvação.

(Pedro Du Bois, BREVES GESTOS)

8 comentários:

  1. Pedro, este belo poema dramático, triste e um tanto cético é um fragmento do mundo cibernético em que vivemos. É a queixa do poeta desconcertado com valores que se perderam.
    ..."velhos sabendo que não há salvação". No fim, que restará? Um beijo fraterno, Alice

    ResponderExcluir
  2. Poeta e contista Pedro Du Bois
    Tudo bem?
    É muito difícil aceitar palavras usadas no dia a dia, o mundo tão informatizado e frio em que vivemos e coordenar com as poesias que vêm do coração. Há salvação, ela está nas palavras que traduzem sentimentos e nos lembram que existe acima de tudo o amor. A salvação está na inspiração do poeta.
    Um abraço e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  3. Meu professor um abraço estou de volta com muitas histórias de pescador mas com pouco peixe. É o mundo mudou e dizer que sou do tempo da galena.

    ResponderExcluir
  4. É Poeta!

    Necessitamos urgente um retorno aos mitos, que bom Poema.

    Um abraço carinhoso,

    Carmen Silvia Presotto

    ResponderExcluir
  5. meus heróis
    morreram de overdose
    meus melhores amigos
    hj, estão nos livros...
    real.
    pulsante.
    verdadeiro.
    lindo teu poema!
    abraço,

    ResponderExcluir
  6. Realmente... as coisas têm mudado, mas bom saber que ainda temos poetas conscientes da real essência. Edmond.

    ResponderExcluir
  7. Caro Pedro fiz uma digressão pelo o blog que vc dirige e encontrei muitas esmeraldas e muito ouro polído.Vc é um poeta em corpo inteiro,verbo candente e preciso,resumo da ópera: um fasicador de luas e luares. Um abraço,companheiro.

    ResponderExcluir