domingo, 29 de abril de 2018

ACORDADO

Fico acordado
em embaralhados sentimentos
dispostos sobre a mesa
em pacientes jogos

fico acordado: nada
além da vida
em curtas imagens

embaralho sentires
na rodada final
em cartas desgastadas

fico acordado que as cartas
marcadas repousam nas mãos
irreais da minha sorte.

(Pedro Du Bois, inédito)

sexta-feira, 27 de abril de 2018

quarta-feira, 25 de abril de 2018

INEBRIAR

Percebe a vontade
estampada na face
não disfarça o íntimo
nem esconde sentimentos

coração ardente
                 desabalado
         sofre nas palpitações
         o que a mente não expressa
                 em palavras

passa
  marca a passagem
  no perfume com que poderíamos
                   inebriar os lençóis
        estivéssemos juntos.

(Pedro Du Bois, inédito)

segunda-feira, 23 de abril de 2018

FINALMENTE

Desmerece a casa de teus pais
esconde na noite o que te ensinaram
abafa as cantigas de tua infância

esquece o colo
              o peito
               o leite de tua mãe

sê ingrato
    estúpido
    e grosseiro

não tenhas escrúpulos em roubar o pouco
                          que tenham guardado
nem te compadeças se chorarem

assim sendo
          assim serás
          no ressurgir a última tempestade
          e no escurecer da próxima borrasca

raios
 trovões
   relâmpagos espantam os céus
   onde repousarás terno em teus males
   e sozinho terás árduas batalhas.

(Pedro Du Bois, inédito)

sábado, 21 de abril de 2018

ARCANOS GRÁVIDOS

4 poemas, em:
https://arcanosgravidos.blogspot.com.br/2018/04/tres-poemas-do-pedro-du-bois.html

SUCESSO

"Pitza"
primeira etapa
"a persistirem..."
segunda fase
"aluga-se casas"
terceira parte

para completar
"amanhã acontece..."
final da fila

paciência
sentimento de civilidade
tênue possibilidade
de haver comunicação

nada feito: rebolam
e fazem sucesso na televisão.

(Pedro Du Bois, inédito)

quinta-feira, 19 de abril de 2018

ESPERANÇA

Enquanto espera
                 esperança

quando for a hora
               temperança

passado o momento
                    saudades

esperança de reencontros
sorte em novas esperas
ansiedade por outras saudades.

(Pedro Du Bois, inédito)

terça-feira, 17 de abril de 2018

OUTROS TEMPOS

Espatifa a garrafa que substitui o peso
quebra a vara com que mede a terra
aprofunda a cova ao depositar a semente

tem por perdida a medida
    em que restou sua vida

esquecidas medidas fazem de conta
que a vida possa se transformar

muda regras
          institui o peso
          troca a unidade por metragem estéril
          no esquecimento da cova preenchida

nada brota da terra
                  nem flores sobre a tumba
nenhuma importância no peso da mortalha
                           terra ocupada aos poucos
                  perdida em incontáveis tempos.

(Pedro Du Bois, inédito)

domingo, 15 de abril de 2018

CORTINAS

cores repetem matizes diferentes
e olhos tentam apreender a paisagem
que se descortina

busca o auxílio das cores para ilustrar
o que pensa ver na paisagem
descortinada

na pretensão das cores entende ilustrada
a felicidade entremeada aos sentimentos
na busca para espantar a solidão
encortinada

(Pedro Du Bois, inédito)

quarta-feira, 11 de abril de 2018

RENASCER

Mente para si o cinza do caminho
não pode aceitar que empalideçam as cores
nem desbotem os corações feridos

(não) tem de encontrar por onde possa sair
cm honra e dignidade: silêncio e barulho:
caos e ordem: vagas e muralhas

ao se equilibrar quando falta o amor
e as mãos não mais se entrelacem
e os olhos não se enxerguem

mente para si o que teria sido
como gostaria que houvesse acontecido
e que o badalar dos sinos anunciasse
para todo o sempre de poucas horas
uma mulher e um homem acasalados.

(Pedro Du Bois, inédito)

segunda-feira, 9 de abril de 2018

SOLIDÃO

No tempo em que procuramos
vislumbrar o futuro
antecipando tempos que viveremos
                    nada intuimos que possa
                                  nos tranquilizar

céus azuis
        águas azuis
        a solidão de nossas vidas

em tempos de procura
antevemos a solidão futura

céus azuis
        águas azuis
        a solidão aguarda
        a nossa chegada.

(Pedro Du Bois, inédito)

quinta-feira, 5 de abril de 2018

MITOS

Crio novos mitos
em substituição aos anteriores

novamente dependo dos sonhos
transformados em novos pesadelos

tudo tem seu preço

o mito cobra caro
por sua fantasmagórica aparição
ao ser chamado como se fosse
                           a salvação

esqueço os mitos: passo a trabalhar
por conta própria - assumo os riscos

economizo o tanto que por nada
pagaria aos mitos.

(Pedro Du Bois, inédito)

domingo, 1 de abril de 2018

ITAPEMA

Sendo pedra
           o pássaro
           guarda nossos passos

           impassível
           acompanha cada barco
           onde a pesca acontece

longe
sobre a pedra

mergulha em busca da presa
             no bico alça o peixe

sobre a pedra
onde o devora
atento as palavras
ditas aqui.

(Pedro Du Bois, inédito)