quinta-feira, 29 de setembro de 2016

SOSSEGO

O sossego é final do tempo
                                 permitido

perco a hora
reabilitando o instante

na rede armada
na varanda
relembro a luta
da chegada

a permanência
na constância
de me dizer presente.

(Pedro Du Bois, inédito)

terça-feira, 27 de setembro de 2016

DESDOURO

Escondido
o desdouro
não tem serventia

              execrado
              em pública praça
              objeto de troça
                              trocadilho
letras garrafais tingindo
muros e paredes

folhetos apócrifos contam
o desmoronamento da classificação
em que entranhas são encontradas
trancadas pelo lado de dentro

na coesão de ideias cimentadas
o opróbrio viceja altos brados

o desdouro
duradouro epitáfio
sobre a tampa ainda suspensa
                            em delírio.

(Pedro Du Bois, inédito)

domingo, 25 de setembro de 2016

PODER

Conserve a ideia de possuir o todo
ao esquecer as promessas da campanha

na mentira cristalize o tempo
das verdades necessárias

apague os rastros no deslizar o corpo

saiba apartar os amigos das tristezas
ao ver em espantados olhos
as igualdades indiferentes

toda ideia carrega seu fardo
na humilhação desproporcionada
pelo hábito de se fazer aparente

o poder embriagado ressaca mentes
no absurdo abrir mão das consequências
em poderes inconsequentes de desculpas.

(Pedro Du Bois, inédito)


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

NASCER

Ter o leite
negado ao filho
na dor do peito
o parto
partido
o leite negado crime
ao filho trôpego
partindo o corpo
o leite negado ao filho
rasgado ventre
chorado no nascimento
o leite ao filho negado
reproduzido na cena
de vir ao mundo
no susto elementar
do corpo antecedido
na dor no peito
o leite dado ao filho
destrancado corpo
no nascimento
em que dói o peito.

(Pedro Du Bois, inédito)

terça-feira, 20 de setembro de 2016

RESTRITO

Restrito: peça invadida
em móveis: cadeiras
                dispostas
                em volta
                da mesa
                posta: disposição
da fome. Engulho
da comida requentada.
Esbulho. Cortinas
encerradas na artificialidade
das luzes decompostas
em imagens. Armário
alto de copos e pratos.

             Vidro quebrado no canto
              inferior direito: restrição.

(Pedro Du Bois, inédito)