quarta-feira, 26 de julho de 2017

CONSTATAÇÃO

Abraçados

cabeça em seu peito
diz baixinho: "iremos
para o inferno"

sem esboçar gestos
aproxima a boca
do seu ouvido
e balbucia: "estamos
no inferno"

único impulso
todas as quedas.

(Pedro Du Bois, inédito)

segunda-feira, 24 de julho de 2017

COMPROMETER

Na melhor resposta
que não sei dar
não cobro explicações
nem me considero comprometido
com qualquer projeto

na melhor proposta
que não faço
não me ofereço ao trabalho
nem me considero comprometido
com qualquer serviço

na melhor resposta
em voz baixa
entredentes
minha última sentença
sem comprometimento.

(Pedro Du Bois, inédito)

sábado, 22 de julho de 2017

HOMENS

Homens vindos pelo mar
da esperança

       encontram terras de fartura
       ao fugir do destino
       inóspito

dão suas vidas pela bandeira
                        alto estandarte
                                memória
          de terras deixadas
                  sem futuro
                  sem regresso
                  no atraso personificado

homens ao mar antes
de encontrar outras terras
de perdições submersas.

(Pedro Du Bois, inédito)


quinta-feira, 20 de julho de 2017

VER

Vejo
não há sorriso
em teu rosto

apenas o anel
cintila no gesto

encostada em algo

           porta?
         janela?
       portal?

vejo
como devia:

       não há trevo sobre a porta
       por onde passas.

(Pedro Du Bois, inédito)

meiotom poesia&arte

Comodidade / Convenience, em:
http://www.meiotom.art.br/dupo17como.html

terça-feira, 18 de julho de 2017

OUTRA VISÃO

Quando olharem para o norte
olhe para o leste
poderá não ser a melhor vista
mas será apenas sua

quando olharem o atacante
na corrida em direção do gol
olhe para o goleiro angustiado
por não poder participar

quando olharem os gestos da aeromoça
explicando procedimentos de emergência
olhe para o seus olhos na fria visão
de quem sabe não valer a pena

vale a pena na multidão olhar o outro lado
onde o pipoqueiro vende sua mercadoria
impassível diante do espetáculo.

(Pedro Du Bois, inédito)

Modus vivendi

Comodidade, em:
http://amata.anaroque.com/arquivo/2017/07/da_comodidade

domingo, 16 de julho de 2017

ESPERA

Todas
as horas
     significam

          tempos

            desperdiçados

em outras
horas e tempos

            quando não estás.
           
(Pedro Du Bois, inédito)

sexta-feira, 14 de julho de 2017

TEMPOS

Imperceptivelmente
(i)mutável

no horizonte
nosso planeta
          em vida

vermes conhecem as mudanças
esporos entendem as nuances
a luz estelar avisa do cansaço

          nem ouvimos
          nem entendemos
          o devido saber

mudanças carregam tempos
roubados de nossa temporalidade.

(Pedro Du Bois, inédito)

quarta-feira, 12 de julho de 2017

AQUI: ALI JÁ É LÁ

diminuta distância
separa os corpos
que se expressam em cena

não há cenário que esconda
corpos que se mostram
em sucessivas imagens

aqui: perto de todos
ali: longe de todos
lá: apenas o lado de fora

nenhuma distância nos separa
           apenas o aqui e o ali
fazem longe o que lá está.

(Pedro Du Bois, inédito)

segunda-feira, 10 de julho de 2017

AMIGOS

O trabalho supre a solidão
                existe
               exige
espelho maior

a passagem amplia
a paisagem interior

aumenta a sensação
de estar só.

(Pedro Du Bois, inédito)


sábado, 8 de julho de 2017

SOLIDÃO

Tantas vezes a solidão
ao caminhar pelas calçadas:
                    não olha para os lados
                    que a ninguém reconhece

a solidão entre paredes
e muros em tempos
de portas e janelas
cerradas: ninguém
entra ou sai

tantas vezes a solidão
no olhar vago pelas calçadas:
               apenas o vento e a chuva
               são companheiros.
                 
(Pedro Du Bois, inédito)

quinta-feira, 6 de julho de 2017

AJUDA

Dispenso a ajuda
cuido dos anzóis

mesmo sem peixes
permaneço na beira do rio

na pesca de sentimentos
reavivo pensamentos
pertencentes aos sonhos

impossível conseguir ajuda
na inaceitável fuga ao sacrifício
que me torna impossível
sair da beira do rio.

(Pedro Du Bois, inédito)


Triplo V Blog

Morte / Death, em:
https://triplovblog.wordpress.com/2017/07/05/poema-34/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+wordpress%2FYcoP+%28TriploV+Blog%29

terça-feira, 4 de julho de 2017

SOLIDÃO

A solidão nos pequenos gestos
que me acompanham

nem arrumo a mesa
nem dependuro a toalha
nem refaço a cama

a solidão desvelada em fases:

                faces que não
                me acompanham

arrumo a mesa
dependuro a toalha
refaço a cama.

(Pedro Du Bois, inédito)

domingo, 2 de julho de 2017

COROAS

As cabeças coroadas
fossem penachos de aves
no último canto

não vislumbro sorrisos
nem vestígios de arrumações
(in)comuns como sempre

em faces impassíveis
todo nobre se apresenta
na certeza do clima
de final de festa

nenhuma coroa retorna
ao armário envidraçado.

(Pedro Du Bois, inédito)