terça-feira, 31 de dezembro de 2019

VOZES

Recordo as vozes
                    perto

bebida barata
sorriso barato
               farto

vozes enchem a noite
ouvidos poucos
total atenção
        lamento

bebida forte
sorriso farto
         barato

vozes caladas
luzes apagadas
 copos retirados

trôpegos passos
e a voz pastosa
  repete o canto.

(Pedro Du Bois, inédito)

meiotom poesia&prosa

Segredos, em:
http://www.meiotom.art.br/dupo19segredos.html

Sorrateiro, em:
http://www.meiotom.art.br/dupo19sorrateiro.html

domingo, 29 de dezembro de 2019

ECO

Não há eco no passado
reverberações quem sabe

o som desloca ares
desmancha montanhas
sepulta histórias

arqueólogo preocupados
devassam a memória

levam ao museu
a cabalística prova
do amor sepultado.

(Pedro Du Bois, inédito)

sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

PRESUMIR

A presunção identifica
os erros cometidos
ao julgar o próximo
com os conceitos
que carregamos

a presunção indica o erro
por não considerarmos

temos o culpado
e basta.

(Pedro Du Bois, inédito)

quarta-feira, 25 de dezembro de 2019

CAIXAS

Ficamos extasiados
diante da caixa fechada

toda caixa fechada
traduz nossa ansiedade
traz a desconfiança
para a consciência

nenhuma caixa
é apenas uma caixa
será uma caixa apenas
depois de ser aberta

enquanto fechada é imã
que nos trai e nos leva
por caminhos imaginários.

(Pedro Du Bois, inédito)

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

ÂMBAR

Nós
conservados
- âmbar planeta
aqui presos
para sempre

viscosos seres
eternizados

em que nos repetimos
e nos transformamos

desconhecidos
em sucessivas
gerações.

(Pedro Du Bois, inédito)


sábado, 21 de dezembro de 2019

PRESENÇA

Senhor estou presente
para o que fui chamado
a prestar este serviço
servil
meu senhor
espreito
espio
aguardo
suas ordens
rápidos boletins
a tinta suja a folha
a mão suja a falha
a voz ordena antigas
cantigas populares

estou presente senhor
presença marcada
rápida passagem
sobre o campo
avança a praga
a pressa
a presa escapa
senhor.

(Pedro Du Bois, inédito)

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

UNS E OUTROS

Uns retratam seus povos
        outros os escondem
uns descrevem seus povos
             outros os sonegam
uns cantam seus povos
            outros os calam
uns contam seus povos
         outros os mentem

uns prometem aos seus povos
                outros não cumprem.

(Pedro Du Bois, inédito)

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

Arcanos Grávidos

trechos de poemas, em:
https://arcanosgravidos.blogspot.com/2019/12/dois-trechos-da-escrita-de-pedro-du-bois.html

Modus vivendi

Sorrateiro, em:
http://amata.anaroque.com/arquivo/2019/12/sorrateiro

REIS e PRÍNCIPES

Seriam os reis os primeiros
afinal
seriam reis
            reais interesses

real sobraria a pose
                  e o porte

(não o porte de armas
                    nada real)

reis seriam os primeiros
a serem desarmados
e deixariam os uniformes
casacas
condecorações

(rainhas deixariam os chapéus)

plebeus todos e novamente
esperaríamos no horizonte
surgir o próximo príncipe
cavaleiro.

(Pedro Du Bois, inédito)

domingo, 15 de dezembro de 2019

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

BILHETE

Fria alma desdenhada rabiscos
ilegíveis rasurados papéis
sob a porta prova  de amor
perdidamente amor paixão
e dor onde o coração bate
olhos baixos - sempre baixos
os olhos - ao passar cruzar
atravessar caminhos ravinas
pavimentadas poeiras outros
pés descalços encalço procura
busca a mão do abismo alívio
no toque resposta não chegada
partida partido coração
envergonhado em palavras
canções desencantadas
vozes altas baixos olhos
braços pendentes dentes
serrilham a boca na ausência.

(Pedro Du Bois, inédito)


quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

DESTINO

Não tive melhor destino
preso em mim
          pelo tempo
          pela farsa
          por tantas frases
ditas na hora errada
em que verbos fáceis
e adjetivos correntes
traziam na idade
a esperança futura

fechado enclausurado
acorrentado em medos
perdi o vento que transporta
a idade e adultera os atos
na mesquinhez dos retratos
de imagens desgastadas
na rapidez da pose: falsidade
com que me colocava ao lado.

(Pedro Du Bois, inédito)


segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

CULTURA

Do recado
sombra no regaço
regato
de águas claras
e limpas

da mensagem
luz na palavra
verbo
de transitivo fim
e limpo

das sobras após o ataque
no barbarismo praticado
pelos de sempre
e sujos

do que ouvi dos passos
no grito com que o corpo
foi atingido
e sujo.

(Pedro Du Bois, inédito)

sábado, 7 de dezembro de 2019

CONDICIONANTES

Seria o último
a encontrar a resposta
certa sobre os aspectos
principais do que procurava

seria a última
visão do todo
resgatado nos fragmentos
trazidos pelo vendo

seria o último
estertor do pensamento
crítico sobre o começo
em relação ao firmamento

seria a última
esperança sobre a vida
ressurgida na claridade
em cegados olhos.

(Pedro Du Bois, inédito)

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

REPRESENTAÇÃO

Após o espetáculo
entra pelos fundos
         palco escuro
         plateia vazia
         escuros camarins

reacende as luzes
inicia o trabalho
desfaz a sujeira
               limpa
               varre
               lava
               espana
     passa o pano

no palco
      para
        (glória)
 olha a plateia
              vazia

curva o corpo
em agradecimento.

(Pedro Du Bois, inédito)

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

MONSTROS

E os outros monstros
pergunta a menina?

Nenhum virá me
fazer companhia?

Algum deles
brincará comigo?

Nem a bruxa
nem a princesa
nem o monstro-sem-cabeça?

Esses monstros são fracos.
Não assustam a menina
que precisa de monstros
fortes para suas emoções.

(Pedro Du Bois, inédito)

domingo, 1 de dezembro de 2019

meiotom poesia&prosa

Pior cego, em:
http://www.meiotom.art.br/dupo19cego.html

Revista Cerrado Cultural

Segredos, em:
https://revistacerradocultural.blogspot.com/2019/12/segredos.html

Pior Cego, em:
https://revistacerradocultural.blogspot.com/2019/12/pior-cego.html

TriploV

Segredos, em:
http://triplov.com/segredos/

Modus vivendi

Segredos, em:
http://amata.anaroque.com/arquivo/2019/12/segredos

CONHECER E TER

Conheceu o sucesso conheceu o progresso
teve o fracasso teve o regresso
conheceu o amanhã conheceu o futuro
teve o ontem teve o passado
conheceu o amor conheceu a paixão
teve o desamor teve o ódio
conheceu a noite conheceu a vida
teve o dia teve a morte
conheceu a amizade conheceu a bondade
teve a inimizade teve a maldade
conheceu o horizonte conheceu a liberdade
teve o muro teve a prisão
conheceu o destino conheceu o caminho
teve o desatino teve o descaminho
conheceu você conheceu você
teve o que foi seu teve o que foi dela.

(Pedro Du Bois, inédito)