terça-feira, 31 de março de 2020

COMODIDADE













Num dia comum
de horas comuns
atividades comuns
idas e voltas comuns

de repente
como nada
como tudo
como sempre
a irrealidade
inviabiliza
incomoda
a comodidade
que nos esconde

incomuns pessoas
            deslocadas
            desfocadas
        desesperadas
            pelo retorno
             comunitário.

(Pedro Du Bois, inédito)

domingo, 29 de março de 2020

CHORO














Era a propaganda
com seus feitos
:aumentadas estrelas
 avistadas através
 dos telescópios

o melhor dos mundos
coordenado pela
maior inteligência

há o momento
em que sozinho
o pensamento
recai na solidão
e a verdade aflora
a insignificância
de alguém que chora.

(Pedro Du Bois, inédito)

sexta-feira, 27 de março de 2020

DISTÂNCIAS














Distantes nos tornamos
menos críticos
na visão panorâmica
de amplos ângulos
em todas as curvas

na distância somos
meros pontos contra
a linha do horizonte

o distanciamento poupa
a vida nos sentimentos
resguardados no que
não podemos ver

distantes lembranças
abrandam a saudade
guardada nos corpos
aproximados.

(Pedro Du Bois, inédito)

quarta-feira, 25 de março de 2020

FICAR















Se os previdentes ficam
se os correntes não vão
se os amorosos acampam
se os medrosos se escondem
só os oportunos veem o futuro

deles somos o resultado
em burgueses acomodados

infelizes diante das vitrinas
tristes figuras viajando férias

dos que foram buscar novos
mundos de desconhecidas
sensações não tivemos
notícias nem foram
semeando caminhos

poucos estão na estrada
e deles fugimos na lembrança
de que não fomos.

(Pedro Du Bois, inédito)

segunda-feira, 23 de março de 2020

DESCAMINHO














Por onde sigo
descaminho
em passos rápidos
no trajeto curto
descaminho
de longa caminhada
na chegada não prevista
descaminho
apresso (mais) os passos
por onde passo
descaminho
sei do fracasso
do regresso
para onde vou
descaminho
sei que não haverá
chegada.

(Pedro Du Bois, inédito)

sábado, 21 de março de 2020

TANTO














Tanto ordenamos
        condenados
   tanto mudamos
              isolados
  tanto buscamos
         escondidos
  tanto queremos
    desesperados

o tonto não percebe
as oportunidades
brinca em ameaças

tanto da vida perdida
indo atrás do vento
e do vulto fugidio
das imagens

tanto sonhamos
         acordados.

(Pedro Du Bois, inédito)




quinta-feira, 19 de março de 2020

HISTÓRIA





Em voz baixa me contam a história
fatos e atos realizados e acontecidos
na vergonha de tempos de escuros
simulacros: a chuva bate contra
a vidraça e a água escorre vidas
perdidas em batalhas sangrentas
onde o ódio e a ganância alternam
os ataques: nossos irmãos fogem
para outras terras cujos donos
não os recebem simpaticamente

presos aos poderes maléficos
mantemos abaixadas as cabeças
e o orgulho escondido na vergonha
de sermos explorados e ludibriados
no medo que nos devora a mente

vozes mínimas repetem o texto oral
que do passado não há réplica 
sobre o que nos contam: fomos
sempre assim e ainda somos
pois a raiva cedeu lugar
ao impassível rosto: nenhuma 
fibra vibra onde não há mistério.

(Pedro Du Bois, inédito)

terça-feira, 17 de março de 2020

domingo, 15 de março de 2020

MENTIMOS













Mentimos dizendo sermos poucos
somos muitos e estamos presentes
                                  desde sempre

nossa natureza
nossa maneira
nosso gênese

avançamos como conquistadores
      protetores insinuados
                   ladrões camuflados

insuflamos exércitos em nosso benefício
calamos multidões em divisões e trocas
fazemos sofrer o irmão no que nos toca

mentimos nesta pouca idade
o pão e a carne conseguidos
no esforço da pilhagem.

(Pedro Du Bois, inédito)

sexta-feira, 13 de março de 2020

VOLTAR













Na embriaguez do momento
o vento refresca o sentimento
de que estamos de volta
e tudo permanece

a nossa volta móveis familiares
transmitem histórias conhecidas

do que deixamos quando cansados
do que buscamos quando cansados
do que lembramos quando retornamos

na embriaguez do instante
o vulto se destaca e o sorriso
apaga o cansaço.

(Pedro Du Bois, inédito)


segunda-feira, 9 de março de 2020

INDEPENDÊNCIA













Momentaneamente fora de combate
o cansaço me faz refém
das horas vagas

        vago mundo repleto de trabalhos
a ordem em progresso positiva a raça
em genéticos ascendentes depurados

depressa volto à ativa
tantos procuram o meu lugar

o cansaço vence o corpo
e a alma dorme dobrada
na escrivaninha atrás
da cortina de fumaça

    não foi este o combate
que me pediram no início.

(Pedro Du Bois, inédito)


sábado, 7 de março de 2020

CONTAS




À porta aporta
o cobrador de contas
fazendo de conta
que irei pagar

apago o débito
esqueço a conta

não há condições
estou descondicionado
na desconsideração
da conta apresentada

em recontada história
o credor das contas
repassa o prejuízo
aos que pagam.

(Pedro Du Bois, inédito)

quinta-feira, 5 de março de 2020

REPARTIR




Repartiremos o saque e sua parte igual
esconderá na bolsa em que levará
ouro prata quinquilharias e moedas
para satisfazer a vida por pouco tempo

outro saque programado armado os dentes
serão expostos em forças e terrores
quando do assalto e o salto se apresentará
no telhado entre janelas além das portas

repartiremos o saque e sua parte menor
será entregue sem solenidade ou festa
aos seus que por aqui ficaram

não participará de novos saques ou assaltos
e no escuro do caixão repousará sua carcaça
onde o sangue do inimigo não respingará
e o medo da chegada estará guardado.

(Pedro Du Bois, inédito)

terça-feira, 3 de março de 2020

FIM



  senhores de todos os males
  seguimos tortuosos caminhos
  de convencimentos autoritários
  somos os primeiros
             os melhores
             os mais fortes
             os mais rápidos

  temos o mecanismo do poder
  somos o poder personalizado

  senhores dos males avançamos
  pela terra e na água refrescamos
                             nossos reatores

  temos o começo e o fim do começo
                    somos o fim.

  (Pedro Du Bois, inédito)


TriploV Blog

Teia, em:
https://otriplovblog.wordpress.com/2020/03/03/poema-54/

domingo, 1 de março de 2020

Revista Cerrado Cultural

Atraso, em:
https://revistacerradocultural.blogspot.com/2020/03/atraso.html

Teia, em:
https://revistacerradocultural.blogspot.com/2020/03/teia.html

Arcanos Grávidos

Tempo Feito, em:
https://arcanosgravidos.blogspot.com/2020/03/tempo-feito.html

VINGANÇA




Toda vingança comporta a loucura exposta
em sua face - branca/escura a face da morte?
exige premeditação e raiva e ira e coragem
para se tornar o covarde que ataca
pelas costas na hora da saída de casa
- seria a casa a nossa fortaleza?
e no grito estreito o sangue ferve
olhos turvos de lembranças o tiro atinge
- seria o corpo responsável pelo ataque?
o corpo na calçada pela promessa feita
e cumprida diante de outro corpo caído
em calçada diversa e igual onde matam
- seriam as calçadas iguais nas mortes?
inocentes na prática do ato insano como
enlouquecidos são os gestos de amor
perdidos em vinganças torpes
- seria branca/escura a hora da vingança?

(Pedro Du Bois, inédito)