domingo, 1 de junho de 2014

INJUSTIÇA

A revolta
a indiferença
a desonra
a injustiça não exige contrapartida
                nem motivo e alegoria
se apresenta proprietária
e toma o espaço
avança
ergue muros
onde se abriga

os gritos não ultrapassam
as paredes na indiferença
contida em humores
desencontrados. A desonra
                  em desperdício
                  acompanha o corpo
                  ao desabrigo

soberba na injustiça
se refaz em glória
de novos amigos
              servos
              decompostos.

(Pedro Du Bois, inédito)

2 comentários:

  1. somos sempre servos
    até ao dia em que o verso se sobreponha

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Boa leitura, caro Filipe. Grato. Abraços. Pedro.

    ResponderExcluir