segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

OUTONO


A bailarina
para o passo
estanca o corpo
                 diáfano
esconde o sorriso
               radiante

estar ali por instantes

               triste
     bailarina
  parada

sua a dor da descoberta
sua a intenção revelada
sua a vontade primeira

 descalça as sapatilhas
                           e as joga fora
sem cumprimentar ninguém
                                  vai embora.

(Pedro Du Bois, inédito)

2 comentários:

  1. Danço nesse compasso poético... me sinto bailarina também!

    ResponderExcluir
  2. Grato, Lianeide, , pela sua leitura e comentário. Abraços, Pedro.

    ResponderExcluir